terça-feira, 26 de agosto de 2008

“Eu, Christiane F., treze anos, drogada, prostituída,...”

Quem tem mais de 30 certamente lembra do livro que virou filme: “Eu, Christiane F., treze anos, drogada, prostituída,...” que contava a história REAL de Christiane que aos 13 anos, viciada em heroína se prostituía para comprar a droga, o filme contava sua “precoce vida inferno”, mas no “final feliz” recuperada ela saía das ruas livre da heroína. E era exatamente essa a mensagem “É possível ficar livre do vicio”.
A revista Época de 18/08/08 – edição 535 mostrou na reportagem personagem da semana que o “final feliz” durou pouco tempo, Christiane hoje aos 46 anos continua refém do vicio e foi reportagem de capa do tablóide berlinense B.Z. que a retratou como uma mulher derrotada, incapaz de permanecer longe do vicio, sem emprego, sonhos ou ambição... Detalhe ela vive (até hoje) de direitos autorais do livro, cerca de R$ 50 mil por ano.
Bem se ela mesmo já havia afirmado em 1984 que “Depois de conhecer a sensação da heroína, nunca mais esquecemos. É muito boa...” já era de se esperar sua recaída.
Agora cabe a cada um tirar suas próprias conclusões.

6 comentários:

Geraldo disse...

Li o livro e vi o filme, e devastação que droga faz na pessoa é incrivel.. agora depois toda sua história de recuperação, a recaida...

Que triste

Geraldo

Ropiva disse...

É realmente triste que não tenha conseguido se manter longe das drogas.

Jorge C. Reis disse...

Difícil deixar completamente. A droga é uma praga para a humanidade. E acho que vai continuar a ser por muitos anos... infelizmente.

Rita Costa disse...

Nossa! Eu li sobre isso.
Muito triste!
Sabe, quando li esse livro, era ainda uma menina e me lembro que fiquei muito impressionada.

Ótima postagem viu.
Fica ai mais um alerta sobre todo o mal que as drogas fazem.

Beijos

JSA disse...

Muito interesante, eu ainda não sabia desta recaida que ela teve, valeu pela informação.

Osc@r Luiz disse...

Faço minhas as palavras do Geraldo.
Muito bom o seu blog.
Pensando aqui seriamente em linka-lo se você não se importar...
Beijo.